Atualizado em 17/10/2017 15:22:55
Rua General Daltro Filho, 772 - CEP 97.900-000 | Telefones: (55) 3359 1613 | E-Mail: contato@uricl.com.br
Logo URI Cerro Largo
NOTÍCIAS
Encontre artigos com assuntos específicos utilizando a caixa de busca abaixo. Digite o termo e tecle ENTER.
15/02/2017 10:41:42 - Atualizado em 21/02/2017 14:00:20
por Ivana Ten Cathen Schnorrenberger
2017 inicia com queda no preço das cestas básicas, registra pesquisa da URI Cerro Largo
Bolsista: Jéssica Rosin / Pesquisador: Fábio Germano Nedel
Visualizada por 407 pessoas.
Dentre as variações nos preços das cestas básicas no primeiro mês de 2017, registrou-se queda no preço de ambas as cestas.

Os preços da batata e do tomate apresentaram queda generalizada em janeiro, pois, segundo o Boletim Hortigranjeiro da Prohort, o aumento da área plantada, aliado às boas condições climáticas, favoreceu a produtividade a colheita de ambos os itens em novembro e dezembro, fazendo com que a oferta ficasse elevada no mercado. Essa oferta elevada levou a queda nos preços ofertados, fazendo o preço do tomate cair quase R$ 3,00 e o da batata ficar 9,05% a menos, em ambas as cestas.

As negociações envolvendo a carne de frango estavam lentas no mercado interno neste início de ano. Segundo colaboradores do Cepea, os estoques estão elevados, visto que o escoamento no final do ano passado foi limitado pelo fraco consumo. Com isso o preço pago pela carne de frango negociada nos atacados ficou R$ 5,13 mais barato na cesta tradicional e R$ 3,42 na cesta saudável.

O grupo das frutas também teve participação na queda no preço das cestas básicas em janeiro, sendo que a banana ficou 11,06% mais barata e a maçã passou a custar, em média, 7,93% a menos nas duas cestas pesquisadas.

Em contrapartida, alguns alimentos sofrera aumento, como foi o caso da laranja que, segundo o Agrolink, teve sua oferta limitada pela umidade causada pelo clima chuvoso no mês de janeiro, já que, quando colhidas molhadas, tendem a ter menor vida útil, e produtores evitam colher nestas condições. Este cenário resultou no aumento de 23,53% no preço da fruta.

Segundo o Informativo Conjuntural da Emater/RS, a umidade aliada às altas temperaturas registradas no mês de janeiro prejudicaram o cultivo das culturas de cebola e repolho, o que causou retração na oferta desses produtos e, em consequência, aumento no preço de ambos, sendo que a cebola ficou 14,83% mais cara e o repolho teve inflação de 13,44%.

Analisando os dados coletados no mês de janeiro, constatou-se que ambas as cestas ficaram mais baratas, sendo que a cesta tradicional teve deflação 2,44% e a cesta saudável de 2,83%. Verificou-se também que o custo da cesta saudável foi R$ 163,30 menor, em relação a cesta tradicional, provando que a cesta saudável, além de ser melhor para a saúde do consumidor, também é mais vantajosa financeiramente.