Atualizado em 17/10/2017 15:22:55
Rua General Daltro Filho, 772 - CEP 97.900-000 | Telefones: (55) 3359 1613 | E-Mail: contato@uricl.com.br
Logo URI Cerro Largo
NOTÍCIAS
Encontre artigos com assuntos específicos utilizando a caixa de busca abaixo. Digite o termo e tecle ENTER.
Publicado em 17/07/2017 15:38:56
por Ivana Ten Cathen Schnorrenberger
Inflação brasileira acumulada cai 5,72% nos últimos 12 meses, relata pesquisa da URI Cerro Largo
Orientador: Fábio Germano Nedel / Bolsista: Jéssica Rosin
Visualizada por 368 pessoas.
A inflação nacional esta em queda nos últimos meses, em praticamente todos os setores econômicos. Atualmente, o índice de inflação oficial do Brasil, medido pelo Índice de  Preço Consumidor Amplo - IPCA encontra-se em 3,60% e no mesmo período de 2016, esse índice encontrava-se em 9,32%, ou seja, em um ano redução de 5,72% na inflação acumulada, principalmente puxada pela diminuição dos preços dos alimentos.

Os alimentos são o foco do estudo da pesquisa da URI, onde o valor das cestas básicas de junho de 2016 eram mais caras. Em junho de 2017 a cesta tradicional ficou 10,42% mais barata, resultando em uma queda de R$ 59,58 e a cesta saudável ficou 9,99% mais barata, passando a custar R$ 41,70 a menos do que um ano antes. 

No mês de junho, comparando-se com o mês anterior, novamente percebeu-se queda no preço das cestas básicas. Um dos destaques dessa queda foi a carne de gado, a qual teve deflação de 8,50%, resultando em R$ 12,77 a menos na cesta tradicional e R$ 4,25 a menos na cesta saudável. Segundo o Agrolink, essa queda no preço da carne deveu-se à questão de os agentes estarem negociando apenas quando há maior urgência para compra ou venda, sendo assim, os frigoríficos diminuíram as compras acreditando em maior queda nos preços da carne a curto prazo, enquanto os pecuaristas tentam evitar maior pressão sobre as cotações.

Segundo o Boletim Hortigranjeiro da Prohort, junho foi um mês marcado pela alta oferta no mercado de frutas, como a banana e a maçã, porém, esses frutos não foram absorvidos pelos entrepostos atacadistas da forma que os produtores gostariam. Esses fatores causaram a queda nos preços de tais frutas, sendo que a banana teve diminuição de R$ 11,00 na cesta saudável e  a maçã teve deflação de mais de 24% em ambas as cestas.

Outro item que apresentou queda considerável foi o tomate. Segundo o Agrolink, as cotações baixas do tomate refletiram o ritmo mais intenso da colheita neste período, resultando no aumento da oferta do produto, além disso, ainda há muitos tomates de qualidade inferior sendo ofertados. Neste cenário, percebeu-se queda de 34,74% no preço do tomate, resultando em um gasto de R$ 9,00 a menos para o consumidor em ambas as cestas. 

O mês de junho foi marcado por quedas nas cestas básicas pesquisadas, sendo que a cesta tradicional ficou 6,50% mais barata e a cesta tradicional teve deflação de 6,20%. Com isso, contatou-se que, mesmo o preço da cesta tradicional tendo diminuído mais do que a cesta saudável, essa última ainda é mais vantajosa pois, além de ser mais saudável, contendo menos carne e mais frutas e verduras, ainda passa a custar R$ 136,14 a menos do que a cesta tradicional.