Atualizado em 28/06/2017 14:33:04
Rua General Daltro Filho, 772 - CEP 97.900-000 | Telefones: (55) 3359 1613 | E-Mail: contato@uricl.com.br
Logo URI Cerro Largo
Variação Comparativa do custo da Cesta Básica tradicional e saudável, ofertada pelos supermercados do Município de Cerro Largo/RS
NOTÍCIAS
Encontre artigos com assuntos específicos utilizando a caixa de busca abaixo. Digite o termo e tecle ENTER.
Publicado em 14/12/2016 17:02:29
por Ivana Ten Cathen Schnorrenberger
Conforme pesquisa da URI Cerro Largo, mês de novembro registra queda no preço dos alimentos
Bolsista: Jessica Rosin / Orientador: Fabio Nedel
Visualizada por 813 pessoas.
O preço para adquirir as cestas básicas tradicional e saudável no município de Cerro Largo voltou a cair em novembro.

Os derivados de farinha de trigo, neste mês continuaram a diminuir de preço, mas o mesmo não ocorreu com a farinha.

Segundo o Agrolink, clima favorável, com tempo ameno e pancadas de chuva que mantiveram a umidade do solo, beneficiou a produção de frutas e verduras, como a banana, maçã, tomate e repolho.  Essa oferta mais elevada fez com os consumidores encontrassem estes itens com o preço reduzido no mês de novembro. A banana e a maçã sofreram queda de 3,58% e 3,26%, respectivamente, já o tomate sofreu deflação de 22,36%, o que resultou em quase R$ 3,00 a menos para adquirir o produto, e o repolho sofreu deflação de 13,50% em ambas as cestas.

Os dias de maior luminosidade e boa umidade no solo, como relatado no Informativo Conjuntural da Emater/RS, propiciaram condições mais adequadas de produção nos campos, favorecendo a oferta de alimento para o rebanho, o que se refletiu no aumento da produção e captação de leite. Essa maior oferta, aliada a uma demanda retraída, jogou os preços para baixo pelo terceiro mês consecutivo. Com isso, em novembro registrou-se queda de 4,26%, ou seja, R$1,26 a menos pago pelo litro de leite UHT nos supermercados pesquisados.

Em contrapartida, alguns itens das cestas tiveram aumento, como no caso do feijão, que teve aumento de 2,04% em ambas as cestas, aumento esse justificado, conforme o Informativo Conjuntural da Emater/RS, pelo clima de algumas regiões, com noites frias, o que não foi favorável à cultura de feijão, prejudicando um pouco a oferta do mesmo.

Segundo o Agrolink, parte dos orizicultores está fora do mercado, na expectativa de um aumento maior  nos preços. Só estão mais ativos aqueles com necessidade de “fazer caixa” ou por outros compromissos da safra. Esse cenário de menor oferta do arroz fez com que o preço deste item subisse, obtendo aumento de 6,24% na cesta tradicional e 6,16% na cesta saudável. 

De maneira geral, contatou-se queda de 1,07% na cesta tradicional e 1,70% na cesta saudável, com isso, a cesta básica passou a ser R$ 160,13 mais barata que a tradicional, o que prova que a cesta saudável é mais vantajosa tanto para a saúde, como para o bolso do consumidor.