Atualizado em 28/06/2017 14:33:04
Rua General Daltro Filho, 772 - CEP 97.900-000 | Telefones: (55) 3359 1613 | E-Mail: contato@uricl.com.br
Logo URI Cerro Largo
Variação Comparativa do custo da Cesta Básica tradicional e saudável, ofertada pelos supermercados do Município de Cerro Largo/RS
NOTÍCIAS
Encontre artigos com assuntos específicos utilizando a caixa de busca abaixo. Digite o termo e tecle ENTER.
12/04/2017 14:54:46 - Atualizado em 12/04/2017 15:01:17
por Ivana Ten Cathen Schnorrenberger
Após alguns meses consecutivos de queda, preço das cestas básicas apresentam pequena elevação, conforme pesquisa da URI Cerro Largo
Bolsista: Jéssica Rosin / Pesquisador: Fábio Germano Nedel
Visualizada por 672 pessoas.
Ao contrário do que vinha ocorrendo nos últimos meses, o preço das cestas básicas voltou a subir no mês de março.

Segundo o Informativo Conjuntural da Emater/RS, a safra gaúcha apresentou redução do volume ofertado de tomate, agravada pelas temperaturas mais amenas, principalmente à noite, que influenciaram o prolongamento do tempo de amadurecimento dos frutos e sua colocação no mercado, o que causou aumento de 17,30% em ambas as cestas. No Informativo da Emater/RS constou também que houve diminuição da oferta de repolho, em decorrência da qualidade um pouco reduzida do produto na última colheita, em função da alta umidade que provocou aumento na incidência de doenças, em consequência, esse produto ficou R$ 1,15 mais caro.

A batata e o leite também ficaram mais caros no mês de março. Segundo pesquisadores do Hortifruti/Cepea, a oferta da batata esteve reduzida no último mês, já que alguns produtores não colheram. O  que elevou a cotação do tubérculo em 14,56% na cesta tradicional e 14,30% na cesta saudável. Já o preço do leite, segundo o Agrolink, ficou mais de R$ 4,00 mais caro devido ao avanço da entressafra. 

Outro produto que colaborou para esse aumento foi a banana que, segundo o Informativo Conjuntural da Emater/RS, a sua procura foi maior do que  o disponível no mercado no momento, o que fez os seus preços subirem 9,70% em ambas as cestas, se comparado ao mês anterior.

Em contrapartida, alguns produtos, como o arroz e o feijão, sofreram queda no mês de março. Os orizicultores foram beneficiados pelas condições meteorológicas, o que possibilitou avançar nos trabalhos de colheita. Com o mercado atendendo plenamente a demanda, os preços do arroz seguiram em viés de baixa, ficando o produto 9,51% mais barato se comparado ao mês de fevereiro. O mesmo ocorreu com a colheita do feijão de 1° safra, que também ficou com a oferta maior que a demanda, fazendo com que seus preços caíssem 5,28% no mês de março.

Analisando a variação total das cestas básicas, percebe-se que a cesta tradicional não variou muito neste mês, apenas 0,02%, já a cesta básica saudável ficou 2,44% mais cara, se comparada ao mês anterior. Mesmo com esse aumento maior na cesta saudável, esta ainda custa R$ 154,29 a menos do que a cesta tradicional, provando que uma alimentação mais saudável também se torna mais vantajosa para o bolso do consumidor.