Atualizado em 19/09/2019 14:52:30
Rua General Daltro Filho, 772 - CEP 97.900-000 | Telefones: (55) 3359 1613 | E-Mail: contato@uricl.com.br
Logo URI Cerro Largo
Administração
NOTÍCIAS
Encontre artigos com assuntos específicos utilizando a caixa de busca abaixo. Digite o termo e tecle ENTER.
Publicado em 29/05/2019 19:47:02
por Ivana Ten Cathen Schnorrenberger
Acadêmicos de Administração visitam o museu 25 de Julho
Visualizada por 800 pessoas.
Esta notícia possui fotos adicionais
Na noite de 24 de maio de 2019 os acadêmicos do Curso de Administração do 3°, 7° e 9° semestre, da URI Campus Cerro Largo, da disciplina Economia Brasileira e Regional, ministrada pelo professor Fábio Nedel, tiveram a oportunidade de visitar o Museu 25 de Julho e conhecer o seu acervo histórico cultural.

A visita foi guiada pelo estimado professor Guido Hentz, que dotado de conhecimento e sabedoria, compartilhou com os acadêmicos fatos econômicos sociais, importantes para o desenvolvimento de toda a nossa região. Durante a visitação, o professor Guido frisou a importância de se conhecer a história, para melhor entender o presente e o futuro, bem como a necessidade de constante busca pelo conhecimento. 

O primeiro momento da visita foi marcado pela explicação de como se deu a origem do que hoje conhecemos por região de Cerro Largo. O professor Guido nos relatou algumas das dificuldades enfrentadas pelos primeiros colonizadores, os procedimentos usados para se locomoverem em meio à mata fechada e quais as primeiras prioridades ao se instalarem. Guido ressaltou que uma das principais prioridades também era construir escolas comunitárias, para garantir uma educação digna e de qualidade para as crianças. Em cada povoamento, surgia uma escola, que também servia de igreja e clube social nos fins de semana. Atualmente termos uma universidade comunitária, em muito se deve a decisões do passado.

O segundo momento da visita foi direcionado, ao conhecimento de utensílios e equipamentos utilizados pelos nossos ancestrais, para o cultivo do solo e nas tarefas do dia-a-dia. Os acadêmicos também tiveram oportunidade de conhecer aparelhos e equipamentos que na época, eram considerados grandes avanços tecnológicos, como rádio, telefone, e até mesmo uma pequena central elétrica, que usava a água canalizada de um arroio, para produzir a eletricidade em uma propriedade rural. 

A visita ao museu permitiu aos acadêmicos identificar, diferentes fazes econômicas. No decorrer dos anos de 1930 a principal atividade da região, além da subsistência, era a produção de banha suína, produção de erva mate e fumo. Nas décadas seguintes a atividade madeireira e produção de nata foram destaque. Somente no final dos anos de 1960, com o crescimento da mecanização agrícola, despontou a cultura da soja e trigo, bem como criação de suínos para produção de carne. Também se fortalece a indústria metal mecânica deste período em diante. A produção leiteira, a partir dos anos de 1990, torna-se uma das principais atividades econômicas regionais. Percebe-se que o comércio e indústria em nossa região, prosperaram ao longo das décadas, de maneira dependente ao setor primário.

Aos acadêmicos fica a lição de que estamos em constante evolução, sempre na busca de desenvolver novas atividades econômicas e novas soluções para os problemas do dia-a-dia. Também percebe-se que a evolução tecnológica é fruto da necessidade dos consumidores e produtores para melhorarem sua qualidade de vida. 

Autores: Andrei Krein e Fábio Nedel
Mais imagens vinculadas